Baixa variabilidade genética ameaça mero

Publicado no Jornal do Commercio, em 6.11.2011. A variabilidade genética do mero, maior peixe ósseo do Atlântico Sul, é de baixa a moderada, revela pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco. Em nove localidades, da Guiana Francesa ao Paraná, varia de 32,9% a 52,4%. O resultado, afirmam os cientistas, é mais uma justificativa para prorrogar a moratória da pesca da espécie, válida até 2012. Na portaria do Ibama, de 2007, o crescimento lento e a alta longevidade - um mero vive mais de 40 anos - figuram como as principais razões para a proteção da espécie. Agora, a baixa variabilidade confirma que a espécie está criticamente ameaçada de extinção e precisa mesmo continuar resguardada, diz o coordenador do estudo, Rodrigo Torres. A análise do DNA foi feita em amostras coletadas de 95 exemplares, de dez l0 localidades. Apenas em uma - Santa Catarina - a variabilidade foi alta. Os pesquisadores ainda não sabem por que a diferença, mas acreditam que variações na temperatura e na turbidez da água na costa catarinense possam ter provocado o isolamento genético da população de meros. É o que os geneticistas chamam de unidade evolutivamente segmentada. O perfil genético da população de meros de Santa Catarina é tão distinto que Rodrigo Torres acredita se tratar de uma nova espécie.Embora morfologicamente não haja diferenças, geneticamente o grupo de meros do Paraná até a Guiana Francesa é um e o de Santa Catarina é outro, afirma o biólogo, responsável pelo Laboratório de Genômica Evolutiva e Ambiental, do Departamento de Zoologia da UFPE. As amostras analisadas são das nadadeiras do mero. O peixe, que atinge dois metros de comprimento, tem sete: duas pélvicas, duas peitorais, duas dorsais e uma caudal. É preciso apenas um centímetro quadrado. O corte não machuca o animal, garante Emilly Anny Benevides, que fez o trabalho para a dissertação de mestrado, sob a orientação de Rodrigo Torres. Emilly avaliou as amostras de tecido do peixe, cientificamente chamados Epinephelus itajara, por dois anos. Os resultados permitiram ainda a equipe verificar o fenômeno da filopatria, que é a fidelidade da reprodutiva de uma população a determinada localidade. Ou seja, os meros que se desenvolveram em Santa Catarina voltam ao local para se reproduzir, explica Emilly. Solitário, o mero costuma se agrupar no período reprodutivo em costões rochosos ou recifes próximos da costa. Curiosamente, as larvas migram para o estuário, onde se desenvolvem abrigadas nas raízes do mangue. Passam aproximadamente quatro anos no manguezal, revela Rodrigo Torres. Daí a importância da conservação desse ecossistema.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook