Ministra diz que Ibama continuará a fiscalizar desmatamentos

BRASÍLIA - A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse na quinta (27) que o Ibama vai continuar fiscalizando e multando desmatamentos, apesar do projeto de lei aprovado na quartas (26) pelo Senado que tira poder do órgão. Ela afirmou, porém, que pode pedir à presidente Dilma Rousseff que vete o texto. O chamado PLC 1, que regulamenta o artigo 23 da Constituição, estabelece que, se um crime ambiental for autuado, prevalece a multa do órgão licenciador. Como quem licencia desmatamentos são os Estados, o Ibama ficaria impedido de multar, embargar áreas e apreender motosserras e outros equipamentos, sob pena de ter seus atos anulados pelos órgãos estaduais. Não há nenhum entendimento de que a fiscalização para, disse Izabella. Ainda não recebi o texto para análise. Mas, se entendermos que ela prejudica os compromissos do Brasil a agir contra o desmatamento, vou estudar várias alternativas [DO QUE FAZER], e uma delas pode ser um pedido de veto. O ex-ministro Carlos Minc é mais direto. Ele lembra que, em 2009, quando o PLC 1 foi aprovado na Câmara dos Deputados com o artigo que enfraquecia o Ibama, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu a vetar o texto. Foi durante a conferência do clima de Copenhague. Disse a ele que isso [A LEI] atrapalhava as metas [de redução de emissões] do Brasil. A Dilma estava do meu lado e concordou com o veto. O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, disse que o projeto não é o desastre que se apregoa. Segundo ele, mesmo que não multe, o Ibama tem o poder de intimidar o crime ambiental nos Estados, só por sua presença. A bancada ruralista comemorou a aprovação do PLC 1 como um dos maiores avanços na área ambiental no país. Segundo o senador Flexa Ribeiro, ele tira as prerrogativas ditatoriais do Ibama, órgão que, afirma, quer parar o Brasil. A senadora Kátia Abreu, presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), disse que o PLC 1 traz uma tranquilidade, uma segurança jurídica. Curiosamente, a opinião não é compartilhada por uma advogada da própria CNA, Samanta Piñeda. Em uma conversa no salão azul do Senado com o chefe de gabinete do Ministério do Meio Ambiente, Luiz Antônio Carvalho, Piñeda chamou o texto de inconstitucional e vaticinou uma chuva de ações judiciais caso ele seja sancionado. Por Claudio Angelo (Folhapress)

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook