Texto do Código Florestal contém vários pontos polêmicos

SÃO PAULO - O texto do Código Florestal ainda contém muitas polêmicas. Uma delas é o fato de conceder perdão a quem desmatou até 22 de julho de 2008. A data escolhida é contestada por ambientalistas. Para Raul Telles do Valle, do ISA, seria aceitável que a data fosse, por exemplo, no ano de 2001, quando ocorreu a última alteração nessa legislação. O senador Luiz Henrique da Silveira afirma que a data não foi escolhida aleatoriamente. É a mesma do decreto Mais Ambiente (que determina a regularização de reservas ambientais em imóveis rurais). Tendo em vista as reclamações que tem recebido, o senador afirma que continuará a discussão sobre a data. Estou me orientando como um juiz. Tenho minhas convicções sobre a matéria, mas elas não serão determinantes (para a relatoria), diz. Quando governou Santa Catarina, Silveira foi criticado por ambientalistas por ter sancionado em 2009 uma lei que reduziu a faixa de proteção das matas ciliares de 30 para até 5 metros. Outro ponto muito questionado no atual texto da lei é a retirada da proteção dos mangues, que hoje são áreas de preservação permanente (APPs) e não podem ser ocupadas. Essas áreas, além da importância como berçários de peixes, moluscos e crustáceos, concentram mais carbono que as florestas da Amazônia. Um estudo divulgado em junho pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que, nesses locais, a concentração de carbono em até 1 metro de profundidade chega a 250 toneladas por hectare. A média para o solo é de 95 t/ha. Se os mangues forem ocupados e alterados, o carbono vai para a atmosfera, contribuindo para o efeito estufa. Por Afra Balazina (Agência Estado)

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook