Os impactos de uma térmica suja

Economia Publicado no Jornal do Commercio, em 15.09.2011. Por Felipe Lima, da Editoria de Economia. Acima, infográfico da Editoria de Arte do JC. Clique à direita embaixo do quadro do Slideshare para visualizar tela inteira e ESC para retornar. Em um único dia de funcionamento, a bilionária Usina Termelétrica Suape III, anunciada com pompa na última terça-feira pelo governo do Estado e a Star Energy, do Grupo Bertin, vai jogar no céu pernambucano 24 mil toneladas (t) de dióxido de carbono (CO2). Se funcionasse por um ano, sem parar, seriam 8 milhões de t de um dos gases causadores do efeito estufa. Ou o equivalente a um terço do que todo o setor elétrico do Brasil polui hoje. Mais que os R$ 2 bilhões em investimentos e os 500 empregos diretos que serão criados pelo empreendimento, foram esses os números que repercutiram ontem. E que suscitaram a pergunta: o povo pernambucano deve comemorar a chegada da maior usina térmica do mundo? A estimativa de emissão de CO2 da Suape III foi realizada pelo professor de engenharia elétrica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Heitor Scalambrini, e pelo coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, Ricardo Baitelo. Os dois chegaram ao mesmo resultado. O cálculo levou em conta dados da Agência Internacional de Energia, em que para cada 0,96 metro cúbico (m³) de óleo combustível consumido, 3,34 t de carbono são lançadas na atmosfera. Pernambuco ganhou a usina mais suja do mundo. E todos bateram palma. Os pernambucanos estão anestesiados por três expressões: progresso, geração de empregos e melhoria de renda. Mas é possível obter tudo isso de maneira mais decente do ponto de vista ambiental, opinou Scalambrini. Para efeitos de comparação, a emissão de mil gramas de CO2 por kilowatt/hora (kw/h) gerado por uma térmica como essa representa 100 vezes mais que a emissão de toda a cadeia produtiva de energia eólica, incluindo desde o processo de produção das torres, que usa componentes feitos de aço, passando pelo transporte das pás por caminhões abastecidos de óleo diesel, até o funcionamento dos empreendimentos, complementou Baitelo. O diretor do Instituto Ilumina, organização não-governamental (ONG) que atua no setor elétrico, João Paulo Aguiar, acrescentou outro ponto negativo à discussão. A construção de empreendimentos desse perfil é fruto da escolha catastrófica de transformar energia em uma commodity. Isso tornou a energia brasileira numa das mais caras do mundo. Um contrassenso em um País que possui a dádiva da geração hidrelétrica. E para garantir a segurança no abastecimento de Suape, não são necessários investimentos em uma térmica, mas melhorias nas linhas de transmissão, resumiu. Professor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Schaeffer, trouxe a tona uma questão preocupante. Seria impensável a construção de uma térmica de óleo combustível em São Paulo ou no Pa...

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook