A nova geografia da fome

O Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, confirmou nesta segunda, 8, no Recife, sua intenção de tirar do papel projeto que prevê cultivo da cana-de-açúcar no Semiárido brasileiro com base na irrigação (veja abaixo a apresentação). Na prática, significa a conversão de 122.400 hectares da caatinga (vegetação predominante da região) em canaviais. A justificativa é a de sempre: geração de emprego e renda. O momento é oportuno para discutir a relação entre os custos e os benefícios do projeto para a sociedade e, por que não, para o meio ambiente. Assim como o Centro-Oeste, o Semiárido é plano, o que favorece a colheita mecanizada. Ou seja, no lugar de gerar milhares de subempregos, como ocorre na Zona da Mata, as usinas do Sertão usarão máquinas para colher a cana. A renda, portanto, estará mais uma vez concentrada. E, novamente, com o favorecimento do governo, leia-se dinheiro público, já que a água virá do Canal do Sertão, um dos ramais da transposição do Rio São Francisco. Sobre a caatinga, é a vegetação mais desprotegida do País, com menos de 1% inserido em unidades de conservação, quando organizações científicas internacionais recomendam, no mínimo, 10%. Veja abaixo detalhes do projeto na apresentação feita pelo ministro Fernando Bezerra Coelho no Fórum Nordeste 2011, realizado no Paço Alfândega, Recife. Clique no Slideshare, à direita (quadro com as 4 setinhas na diagonal), para visualizar tela inteira e em ESC para retornar. Ministro 2

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook