MPPE avalia impacto de ferrovia

Publicado em 21.01.2011, no Jornal do Commercio. A Transnordestina Logística S.A (TLSA) terá que apresentar um Relatório de Impacto Ambiental (Rima) da obra da ferrovia em Parnamirim (Sertão do Estado). A exigência é do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), que realizou audiência pública no município na última quarta-feira para discutir os impactos do empreendimento. O MPPE recebeu denúncias dos moradores dando conta que, depois do início das obras na cidade, começaram a aparecer rachaduras nas casas. Na audiência ficou acertado que será realizada uma reunião no dia 23 de março para acompanhar o andamento do processo. A TLSA e a Odebrecht (principal executora da obra) terão esse prazo de 60 dias para apresentar soluções para os problemas provocados pela construção da ferrovia. A audiência está marcada para às 9h, na sala de sessão do Tribunal do Júri, no Fórum de Parnamirim. A promotora de Justiça, Milena Conceição Rezende Mascarenhas, solicitou a nova audiência para ampliar as discussões e tentar resolver os problemas abordados que ficaram sem resolução. Estarão presentes na ocasião, além das empresas responsáveis pela obra, a Defesa Civil de Pernambuco, Agência Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH), autoridades locais, representantes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). A liberação das licenças ambientais e as desapropriações de terra foram alguns dos motivos que atrasaram a execução da obra. Em visita à ferrovia este mês, o recém-empossado ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, disse que a obra vai andar a todo o vapor para concluir uma primeira etapa em 2012 e entregar os 1.728 quilômetros totais da ferrovia no ano seguinte. A Transnordestina, que liga os Estados de Pernambuco, Ceará e Piauí, corta pelo menos 40 municípios. Em função disso, os licenciamentos ambientais foram liberados por trechos. Durante a audiência pública, em resposta aos questionamentos dos moradores de Parnamirim, a gerente de meio ambiente da Transnordestina, Ludmila Alves de Brito, disse que antes do início da construção foi realizado um estudo técnico da obra. ANDAMENTO Este ano a ferrovia deverá entrar no pico de contratação de mão de obra. Atualmente, a estimativa é de que 11,3 mil operários trabalhem na construção do empreendimento. A Odebrecht concentra o maior número de lotes da Transnordestina, de um total de 28, e mantém seu centro administrativo no município de Salgueiro. Até o final do ano pelo menos mais 3 mil trabalhadores serão contratados. Desde que teve sua ordem de serviço lançada, em junho de 2006, a Transnordestina tem apenas 20 quilômetros concluídos com a colocação dos trilhos, no trecho de Missão Velha, no Ceará. A partir de março desde ano, a Odebrecht espera iniciar os chamados serviços de superestrutura (colocação dos dormentes, trilhos e brita) em outros trechos da obra.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook