Descobertas novas espécies de aranha

Publicado em 05.02.2011, no Jornal do Commercio Levantamento de aracnídeos num remanescente de Mata Atlântica com 7.500 hectares revelou a presença de seis espécies de escorpião e 169 de aranhas, das quais 136 são desconhecidas da ciência. Os novos tipos de aranha serão descritos por equipe do Instituto Butantan, em São Paulo, que colaborou com a pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O estudo foi feito no Campo de Instrução Marechal Newton Cavalcanti (CIMNC), com sede em Paudalho, na Zona da Mata Norte do Estado. O quartel, que abrange sete municípios, é usado como área de treinamento pelo Exército. O trabalho, realizado por aluno de mestrado em biologia animal da UFPE, resultou na captura de 4.592 exemplares de aranha e 355 de escorpiões. O resultado será divulgado ainda este mês, quando Arthur Álvaro Costa, apresentará a dissertação. A professora do Departamento de Zoologia da UFPE, Cleide Albuquerque, que orientou a pesquisa, esclarece que o aluno não apenas levantou as espécies de aracnídeos do local. Parte do campo de instrução é de floresta quase virgem e parte de mata atlântica que passou a ocupar uma área antes dominada por canavial. O estudo nos permitiu comparar as espécies nesses dois ambientes, esclarece. A mata é quase virgem, explicam os estudiosos, porque já sofreu queimadas e corte seletivo. E hoje, se encontra em um estágio mais avançado de regeneração que a parte que abrigou cana-de-açúcar, diz Arthur. Além de informações históricas, ele analisou a altura das árvores e a quantidade de folhas mortas e galhos que cobre o solo - a serapilheira - nos dois tipos de florestas do CIMNC para diferenciar as áreas mais e menos preservadas. Os dados revelam que a área desmatada para o plantio de cana-de-açúcar foi capaz de se regenerar a ponto de abrigar mais espécies exclusivas do que a parte intocada da floresta. Dos 169 tipos de aranhas, 73 ocorreram nos dois tipos de ambientes, 37 são únicas das áreas mais preservadas e 59 dos ambientes de mata onde antes era canavial, resume Arthur. O biólogo informa que o quartel passou a ocupar o local em 1944, quando a União desapropriou nove engenhos. O lugar não passou por reflorestamento. A vegetação se recompôs naturalmente, comprovando a tese de que uma mata de capoeira está a um passo de se transformar numa floresta e por isso deve ser protegida. Segundo o pesquisador, os resultados evidenciam a importância das florestas secundárias para a manutenção da diversidade e corroboram a necessidade de manutenção de áreas com cobertura vegetal para a conservação de espécies já conhecidas e, principalmente, das que ainda são desconhecidas para a ciência. A importância do CIMNC como área de conservação também pode ser ressaltada por ser o maior remanescente de mata atlântica de Pernambuco, ressalta Arthur. Abaixo, infográfico da Editoria de Arte do Jornal do Commercio. Clique em MENU e VIEW FULLSCREEN para visualizar tela inteira e ESQ para retornar. Jc c...

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook