Ministério quer menos burocracia em aeroportos na hora de liberar material destinado à pesquisa

BRASÍLIA - O Ministério da Ciência e Tecnologia negocia com outros órgãos do governo federal a instalação de locais nos aeroportos para receber e liberar material importado para pesquisas científicas no país. O anúncio foi feito hoje (27), durante a posse do novo presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o engenheiro eletrônico Glaucius Oliva. A ideia é que profissionais treinados trabalhem nesses locais e ajudem a desburocratizar o processo de liberação do material para os pesquisadores. 'Definiu-se pela implantação, inicialmente em um aeroporto, de um armazém especial dedicado à manipulação das importações para pesquisa, de forma a agilizar a liberação com pessoal treinado e qualificadò, disse Oliva. Ele não citou em qual aeroporto o projeto piloto vai começar. O ministro Aloizio Mercadante reuniu-se nesta semana com representantes da Receita Federal, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do CNPq para discutir a proposta. De acordo com o ministro, que esteve na cerimônia de posse, o projeto deve ser concluído dentro de duas semanas. A burocracia para a liberação de insumos e equipamentos importados que chegam nos aeroportos e portos do país é uma das principais e mais antigas reclamações dos cientistas. A maioria relata que espera meses para conseguir receber o material, prazo que compromete a qualidade de uma pesquisa. Ao assumir a chefia do conselho, Oliva prometeu simplificar os procedimentos do CNPq para facilitar a vida do pesquisador. 'Temos certeza que, com os mesmos recursos, poderemos fazer muito mais, se os procedimentos burocráticos forem simplificados', disse ele. Outra meta do novo presidente é dobrar os recursos para as bolsas de fomento à pesquisa nos próximos quatro anos. Em 2010, o CNPq atendeu 80 mil bolsistas, criou 14 mil bolsas de iniciação científica e 4 mil de mestrado e doutorado, com investimento de R$ 1,85 bilhão na formação de recursos humanos e estímulo à produção científica. Oliva alertou para a necessidade de formação de mais engenheiros e melhoria do ensino de matemática e ciências nas escolas, se o Brasil quiser se tornar a quinta maior economia do mundo. Antes de assumir a presidência do conselho, Oliva era diretor de Engenharias, Ciências Exatas e Humanas e Sociais do CNPq. Ele é formado em engenharia eletrônica pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado em física pela USP e doutorado em cristalografia de proteínas pela Universidade de Londres. Paulista, Oliva coordena também estudos sobre biotecnologia na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e em instituto ligado aos ministérios da Ciência e Tecnologia e Saúde. Por Carolina Pimentel (Agência Brasil)

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook