O Promar e seu impacto

Publicado em 15.01.2011, no Jornal do Commercio. Texto de Adriana Guarda ( Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ) A implantação do Estaleiro Promar S.A, no Complexo de Suape, vai provocar pelo menos 33 impactos negativos ao meio ambiente, tanto no período de construção quanto na fase de operação do empreendimento. O resultado está no Estudo de Impacto Ambiental (EIA/Rima) apresentado, ontem, durante audiência pública realizada pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) para discutir o projeto. Realizada no Clube Municipal de Ipojuca, a audiência foi preparada para receber 600 pessoas, mas apenas 200 participaram do encontro, que será o único antes da liberação da licença de instalação para a indústria. As discussões duraram pouco mais de quatro horas. Depois da apresentação do projeto do estaleiro pelo empreendedor, a consultora Eliane Bryon fez um resumo do EIA/Rima. Na lista dos impactos considerados de alta importância, ela citou a dragagem que precisará ser realizada no local, o remanejamento dos moradores da Ilha de Tatuoca e a perda de renda dessa população remanejada. Como soluções apresentou Planos Básicos Ambientais (PBAs) que serão executados pela diretoria do Complexo de Suape e a construção da vila Nova Tatuoca, que também ficará a cargo da estatal. Como iniciativa do Promar mencionou apenas uma parceria para priorizar a capacitação, focando a absorção deste pessoal no trabalho. A presidente da Associação das Mulheres Pescadoras de Pontezinha, Josefa da Silva, questionou como os pescadores vão se inserir nos cargos da indústria naval e, aplaudida, fez uma defesa veemente da preservação da pesca, lamentou pelo assoreamento dos rios e alertou para o bota-fora oceânico das dragagens que, segundo ela, está sendo descartado em área de pesca. A dragagem aparece na lista de importância muito alta porque serão dragados nada menos que 20 hectares para o acesso do estaleiro ao mar e no canal entre as ilhas de Cocaia e Tatuoca. Isso vai representar 2,8 milhões de metros cúbicos de sedimentos descartados. Quando estiver operando, o Promar também poderá trazer riscos como alteração da qualidade da água em caso de acidentes, alteração da qualidade ambiental por conta do manuseio de resíduos sólidos, risco de elevação dos níveis de toxidade do estuário e tantos outros. Para implantar o estaleiro também será necessário suprimir 14 hectares de mangue e 31 hectares de restinga. PARTICIPAÇÃO Apesar de não ter lotado o clube, a audiência contou com a participação ativa de pescadores, ambientalistas e moradores da região de Suape. Muitos se inscreveram para fazer perguntas e reclamaram da precariedade das respostas. A consultora Eliane Bryon, que apresentou o resumo do trabalho, demorava a dar as respostas e, para a maioria delas, sugeria que os participantes da audiência consultassem o EIA/Rima, alegando não ser possível detalhar as explicações em função do curto espaço de tempo da audiência pública. O presidente da ONG Salve Maracaípe, Marcos Pereira, criti...

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook