MPF quer revisar modelo de concessão de licenças para queimadas da cana

SÃO PAULO - Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo quer a revisão do modelo de concessão de licenças para queima da cana-de-açúcar no estado. Segundo o procurador Andrei Borges, o atual sistema não exige a elaboração de um relatório de impacto ambiental, o que contraria a Constituição em relação às atividades potencialmente poluidoras. A Cetesb [Companhia Ambiental do Estado de São Paulo] concede licença de maneira ampla e indiscriminada, afirmou. O MPF defende que as autorizações passem a ser concedidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Borges é autor da ação civil pública que pediu a suspensão da queima da palha da cana em Ribeirão Preto, mas a liminar foi negada nesta semana. Ele pretende recorrer até segunda-feira (30). No início do mês, a 2 Vara Federal de São Carlos (SP) concedeu liminar favorável a outra ação movida pelo MPF que pedia a suspensão das queimadas e das licenças ambientais concedidas por órgão estadual na região. O mesmo entendimento foi dado pela 1 Vara Federal em Araraquara (SP), em meados de julho. Para o professor do departamento de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Arnaldo Cardoso, a queima da cana não é uma coisa conveniente de ser aceita. De acordo com ele, a poluição gerada por esse processo pode causar danos ao meio ambiente e à população local. Esses gases e partículas vão interferir no ambiente. Então, vai reduzir visibilidade, afeta as pessoas porque com elas, respirando esse material, interfere nos processos bioquímicos, disse. Sem a queima da palha, a colheita tem de ser realizada de maneira mecanizada. A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) assinou um protocolo agroambiental com o governo de São Paulo que prevê eliminar gradativamente a queima até 2017. Cerca de 60% da colheita em São Paulo é feita por máquinas. Segundo o presidente da Unica, Marcos Jank, a substituição do corte manual pelo mecanizado está acontecendo o mais rápido possível. Ele afirmou que além da compra dos equipamentos, é necessário requalificar os trabalhadores. São 600 máquinas por ano introduzidas no setor. E é o que dá para fazer. É o que as indústrias produzem, o que as empresas conseguem comprar e o timing correto para a requalificação. A entidade possui um programa de requalificação de cortadores de cana que capacita sete mil trabalhadores por ano. Atualmente, trabalham no corte cerca de 180 mil pessoas. Cada máquina substitui o trabalho de 80 deles. A Cetesb não quis comentar as críticas do Ministério Público Federal. A companhia suspendeu na quinta-feira (26) as queimadas em todo o estado devido à baixa umidade do ar. Por Daniel Mello (Agência Brasil)

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
smile
wink
laugh
grin
angry
sad
shocked
cool
tongue
kiss
cry
smaller | bigger

busy

Curta nossa página no Facebook